sexta-feira, 17 de abril de 2009

A TRAGÉDIA DO QUIRAFO

Caros Camaradas e Amigos

Faz hoje precisamente 37 anos (dia 17 de Abril de 1972) que se deu a fatídica emboscada do Quirafo, a uma coluna da CCAÇ 3490 (Saltinho), causando 12 baixas (9 militares (entre eles, um alferes e um furriel), 1 sargento milícia e 2 elementos da população local), diversos feridos entre a nossa tropa, na milícia e em elementos da população e ainda um militar feito prisioneiro. Foi uma das maiores acções de guerra do PAIGC neste tipo de operações.

A todos aqueles que nesta acção perderam a vida, ficaram feridos, ao militar aprisionado, a todos os familiares que, ainda hoje, sofrem pela ausência dos entes queridos, o nosso sincero respeito, a nossa solidariedade e a tristeza pela juventude que naquele tempo se perdeu.

Junto, em seguida, a mensagem por mim enviada ao blogue do Luís Graça & Camaradas da Guiné, sobre este assunto e que ali foi publicada.

Mensagem de Luís Dias, ex-Alf Mil da CCAÇ 3491/BCAÇ 3872, Dulombi e Galomaro, 1971/74, com data de 19 de Março de 2009:

Caro Luís Graça

O camarada Paulo Santiago(*) veio lembrar uma das piores emboscadas que ocorreram na Guiné, em que estiveram envolvidos elementos da CCAÇ 3490, pertencente ao meu Batalhão – o BCAÇ 3872 (Galomaro).

Foi um dia terrível, um desastre em que morreram 9 militares, 1 sargento milícia e 2 elementos da população ao nosso serviço, havendo ainda a lamentar diversos feridos e a captura do soldado António Baptista(**) pelos guerrilheiros.

As causas para o sucedido poderiam ser melhor explicadas pelo ex – Capitão Mil, Dário Lourenço, se quisesse vir ao nosso blogue elucidar-nos sobre os detalhes que determinaram o avanço da coluna naquela maldita segunda-feira, dia 17 de Abril de 1972, dado que o Comandante da Operação foi morto em combate na emboscada que se sucedeu. Não tendo essa possibilidade, resta-nos falar do que passou a constar no nosso batalhão.

A CCAÇ 3491/BCAÇ 3872 recebeu ordens para reabrir a picada Dulombi - Jifim, que se encontrava em mau estado de conservação, porque deixara de ser utilizada, após o rebentamento de uma mina anti-carro que causou mortos na Companhia que fomos render – a CCAÇ 2700 (6 mortos– 1 soldado e 5 milícias) e, em Abril de 1972, iniciou essa tarefa, empenhando diariamente um Grupo de Combate na protecção dos trabalhos, em que estavam envolvidos elementos civis contratados para esse fim. Também a CCAÇ 3490/BCAÇ3872 (Saltinho) recebeu ordens, na mesma altura, para reabrir a estrada Quirafo – Rio Cantoro.

A Operação "Estrada Junta" iniciou-se, ao que presumo, em 10 de Abril de 1972. Diariamente foram cumpridas as tarefas, com mais ou menos dificuldade, embora sem quaisquer problemas operacionais até ao dia 18 de Abril. De facto, na zona em que rebentou uma mina anti-carro que matou elementos da CCAÇ 2700 e no meio da picada, foi detectada e levantada uma mina anti-pessoal PMD-6, pelo 2.º GComb (por mim comandado). A mina fora colocada naquela parte da picada (ao meio), em que o capim cresce melhor, dificultando a hipótese de ser detectada. Na realidade, caso fossemos em patrulha pelo local, poderíamos estar a lamentar uma desgraça. Eu próprio, estive com um pé muito perto dela, porque estava a ouvir os elementos das milícias a explicarem o que sucedera naquele local aos camaradas da 27$00. Só que prossegui e um dos elementos civis que vinha a efectuar a capinagem da estrada, logo atrás, bateu com a ponta da catana na madeira da mina, sendo então esta detectada e levantada com os habituais cuidados para estas situações.

A emboscada do Quirafo dera-se na véspera e estávamos todos ainda consternados pela morte de tantos camaradas da CCAÇ 3490 e eu muito especialmente porque me dava muito bem com o Alf Mil Op Esp Armandino Ribeiro (um dos mortos naquele combate), porque quer em Abrantes, quer no IAO (Cumeré) na Guiné, tínhamos treinado acções em emboscadas e reacção às mesmas, com os nossos Grupos. Logo a seguir foi dada ordem para pararmos com os trabalhos, ao que parece por iniciativa do próprio Comandante-Chefe, ficando a reparação da estrada por terminar, embora tivesse sido muito pouco utilizada posteriormente (unicamente em uma ou duas Operações em que foram envolvidas forças dos pára-quedistas e em que houve necessidade de os colocar e recolher em zonas mais perto do Rio Corubal).

Mas este relato prende-se, essencialmente, para referir um facto. No nosso caso, iniciaram-se os trabalhos de arranjo da estrada e quando chegámos ao fim-de-semana, as ordens foram de non-stop, ou seja mantivemo-nos sempre a trabalhar (Sábado e Domingo) o que parecia já ser uma tradição, porque também na nossa primeira Operação, após a saída dos velhinhos, na qual tivemos o primeiro contacto com o inimigo, se iniciara a mesma num fim-de-semana. Infelizmente, no caso do Quirafo, de má memória, a CCAÇ 3490, parou os trabalhos na 6.ª Feira, para os reiniciar na 2.ª Feira fatídica de 17 de Abril, dando a possibilidade do IN organizar a emboscada, com recurso, inclusive, a um canhão sem recuo, tendo o fim-de-semana todo para escolher o local e estabelecer o plano de fogos para a zona de morte.

E aqui alguma coisa nos escapa, o porquê desta decisão? As circunstâncias que levaram o Comando a ordenar o avanço da coluna de trabalhos se, segundo alguns dizem, sabiam que alguém vira o IN nas imediações e estavam alertados para este facto. Sei que o Armandino era uma pessoa generosa, disciplinada, imbuída do espírito do cumprimento dos deveres militares – um Ranger - e que, talvez nessa sua vontade de efectuar o serviço que estava previamente determinado, não tenha feito a correcta avaliação da situação, ou não tenha achado credível a informação obtida e o seu avanço com o seu GCOMB reforçado para o Quirafo, tenha sido feito sem as cautelas que, face às informações aparentemente disponíveis, se impunham, nomeadamente um avanço apeado, em vez de motorizado e ainda uma melhor distribuição do seu pessoal, talvez difcultasse aquele tipo de emboscada. Quem sabe... o que teria sido melhor?

A emboscada ainda poderia ter feito mais mortos, pois as viaturas não chegaram a cair totalmente na denominada zona de morte, dado que o condutor da primeira viatura avistou um elemento IN e lançou a viatura para a berma da estrada e a outra conseguiu retroceder e fugir da zona.

Este desastre deu-nos algumas lições, nomeadamente a sair com viaturas com os taipais erguidos, como acontecia na segurança que se fazia na estrada Piche-Buruntuma, em que o 3.º GComb da nossa Companhia quando ali esteve de apoio ao Batalhão daquela área, chamou a atenção para que as viaturas tivessem, como já era habitual em outros locais, os taipais retirados e os bancos colocados ao meio.

O nosso Batalhão chegara à Guiné em 24 de Dezembro de 1971 e aos seus locais de destino um mês depois do IAO no Cumeré. Em Abril de 1972 (em apenas 3 meses), depois da emboscada no Quirafo, o Batalhão sofrera 4 mortos em Cancolim (1 numa mina a/c e 3 numa flagelação ao aquartelamento da CCAÇ 3489) e 9 na emboscada do Saltinho (CCAÇ3490), tendo a CCAÇ 3491, tido a sorte de não ter sofridos baixas no contacto/emboscada sofrido em 11 de Março, na área de intervenção do Dulombi, ao seja 13 mortos em tão pouco tempo de Guiné.

No fim da comissão, já em Bissau, o Comando do Batalhão foi alertado por um soldado da CCAÇ 3489 (Cancolim), que fora feito prisioneiro do PAIGC e que conseguira evadir-se e que lhes referiu que o soldado António Baptista, dado como morto em combate na emboscada do Quirafo, estava vivo e era prisioneiro do PAIGC.

Nesta altura, apenas uma prece por todos aqueles que tombaram no Quirafo. Paz às suas almas.

Luís Dias

Foto feita pelo Ex-Alf.Mil, Paulo Santiago (que ao tempo comandava o PELCAÇNAT53 do Saltinho), em 2005, no local da emboscada e onde ainda se encontra a viatura GMC, onde seguia a maior parte dos elementos que perderam a vida. Foto colhida do blogueforanadaevaotres.blogspot.com, com a devida vénia.

Paulo Malu (actualmente), Comandante das Forças do PAIGC que efectuaram a emboscada no Quirafo. Foto obtida no blogueforanadaevaotres.blogspot.com, com a devida vénia.


O soldado António Baptista-Atirador de Infantaria, que foi feito prisioneiro no Quirafo, a depositar flores, na campa que tinha o seu nome, após a sua libertação e regresso ao nosso país, em Setembro de 1974 (JN).

O António Baptista, em foto recente, apelidado do "Morto-vivo do Quirafo", retirada do bloguenovesforanadaevaotres.blogspot.com, com a devida vénia.

3 comentários:

Agostinho disse...

Caros Camaradas,

É com enorme felicidade que leio pela primeira vez o vosso blog, dando desde já os meus parabéns por esta iniciativa.

Chamo-me Agostinho da Rocha Barbosa,1ºCabo da Companhia de cacadores 3490(2º pelotão).

Infelizmente assisti às consequências desta tragédia, tendo pertencido ao pelotão de auxilio que foi enviado para o local com o intuito de socorrer as vitimas (sob o comando do Capitão Dário Lourenço e do Alferes Rainha).

Chegado ao local da tragédia assistimos a um cenário devastador com vários feridos e mortos. Ainda hoje me recordo da imagem do atrelado destruído e cheio de sangue.

Esse foi um dos momentos mais marcantes da minha vida e da minha comissão.

Chegado ao local da tragédia (passado cerca de 30 min.) verifiquei a existência de um rasto de sangue. Rapidamente o segui à procura de alguém que pudesse estar ferido. Infelizmente encontrei um grande camarada e amigo: Jorge Azevedo (Praça) natural de V.N.Gaia.No momento ainda se encontrava vivo. Com um "mosquiteiro" estanquei-lhe o sangue que saia da sua cintura. As últimas palavras foram a pedir àgua. Após alguns "goles" faleceu nos meus braços.

Tive oportunidade de rever o soldado Baptista que foi aprisionado nessa operação. Tem sido um participante dos convivios da companhia 3490 (se quiserem consigo arranjar os seus contactos).

Foi uma tragédia terrivel e marcante que deixou a moral das tropas em baixo e recordações horriveis que nunca mais serão esquecidas.

Paz à alma dos falecidos e saudações a todos os camaradas.

Agostinho Barbosa (1ºCabo da companhia 3490-Saltinho).

Email: agostinhorochabarbosapenafiel@gmail.com

Agostinho Barbosa disse...

Caros Camaradas,

É com enorme felicidade que leio pela primeira vez o vosso blog, dando desde já os meus parabéns por esta iniciativa.

Chamo-me Agostinho da Rocha Barbosa,1ºCabo da Companhia de cacadores 3490(2º pelotão).

Infelizmente assisti às consequências desta tragédia, tendo pertencido ao pelotão de auxilio que foi enviado para o local com o intuito de socorrer as vitimas (sob o comando do Capitão Dário Lourenço e do Alferes Rainha).

Chegado ao local da tragédia assistimos a um cenário devastador com vários feridos e mortos. Ainda hoje me recordo da imagem do atrelado destruído e cheio de sangue.

Esse foi um dos momentos mais marcantes da minha vida e da minha comissão.

Chegado ao local da tragédia (passado cerca de 30 min.) verifiquei a existência de um rasto de sangue. Rapidamente o segui à procura de alguém que pudesse estar ferido. Infelizmente encontrei um grande camarada e amigo: Jorge Azevedo (Praça) natural de V.N.Gaia.No momento ainda se encontrava vivo. Com um "mosquiteiro" estanquei-lhe o sangue que saia da sua cintura. As últimas palavras foram a pedir àgua. Após alguns "goles" faleceu nos meus braços.

Tive oportunidade de rever o soldado Baptista que foi aprisionado nessa operação. Tem sido um participante dos convivios da companhia 3490 (se quiserem consigo arranjar os seus contactos).

Foi uma tragédia terrivel e marcante que deixou a moral das tropas em baixo e recordações horriveis que nunca mais serão esquecidas.

Paz à alma dos falecidos e saudações a todos os camaradas.

Agostinho Barbosa (1ºCabo da companhia 3490-Saltinho).

Email: agostinhorochabarbosapenafiel@gmail.com

彭于晏Eddie disse...

That's actually really cool!AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,a片,AV女優,聊天室,情色